Resenha: Boneco de Pano

”Mas se um número suficiente de pessoas fica repetindo que você é maluco e enchendo sua cabeça de comprimidos, no fim até você mesmo acaba duvidando da sua sanidade…” Página 31

A trama se inicia com um caso repleto de mistério e crueldade, um corpo é descoberto porém não apenas um simples corpo, ou UM corpo apenas, são partes de seis corpos costuradas formando assim um único corpo com outros corpos, um grande e bizarro boneco de pano humano, por ser um caso de uma gravidade maior a polícia contata o detetive William Fawkes, ou apenas Wolf.

”E quando a gaveta enfim se abriu por completo, para espanto geral, eles depararam com o reflexo distorcido dos próprios rostos no metal da bandeja onde originalmente deveria haver uma cabeça.” Página 40

No incio da obra descobrimos que Wolf foi afastado do seu cargo por conta de uma agressão contra um criminoso no qual ele investigava e foi absorvido, Wolf investigava um assassino cruel  que foi responsável pela morte de 27 mulheres, mortas brutalmente, devido a diversas intervenções esse assassino foi absolvido, Wolf inconformado com a injustiça e sabendo que esse assassino vai matar novamente ele em uma atitude desesperada acaba tentando matar o assassino com suas próprias mãos, após isso Wolf é internado em uma clínica.

”Um alerta para os mais sensíveis, algo como ”estas imagens são de natureza explícita e podem ferir a..”, serviria apenas para aguçar a curiosidade mórbida e insaciável dos telespectadores.” Página 65

Como Wolf previu o assassino voltou a matar, todas as pessoas que fizeram intervenções se sentiram igualmente culpadas por cada morte, porém sobra para Wolf. Talvez por seu envolvimento com o caso e a repercussão que houve em cima disso o assassino intitulado como ”Boneco de Pano” marca Wolf , o assassino manda uma lista pela ex-mulher de Wolf com o nome das próximas vitimas, como esperado o nome de Wolf se encontra nessa lista e ele se vê correndo contra o tempo para salvar todos e se salvar.

”Você mata pelo mesmo motivo banal que leva todos os seus semelhantes a matar: é um fraco que precisa se sentir forte” Página 318

Comprei o livro assim que lançou e confesso que esperava bem mais, a história não me prendeu, os personagens as vezes me pareciam confusos de entender e algumas partes também, acho que era o tipo de história que tinha tudo para ser ótima mas deixou muitas pontas soltas, a sinopse e premissa dele é muito show porém me decepcionei durante a leitura em alguns pontos, o final também deixou um pouco a desejar, acho que a leitura não funcionou comigo nesse momento, mas vi muitas criticas positivas então se você curte esse tema leiam a obra e tirem suas conclusões.

”Nenhuma daquelas pessoas fazia ideia do monstro que passava por elas: um lobo em pele de cordeiro.” Página 332

Resenha: Só Os Animais Salvam

”Eles são nossos únicos e mais leais expectadores.” Página 19 ”Alma de Camelo”

Nessa edição maravilhosa da editora Darkside Books,  temos uma obra surpreendente com 10 fábulas tocantes e marcantes, a narrativa é feita de maneira bem diferente, cada uma das fábulas é narrada por um animalzinho(pela alma de cada um dos animais), que conta como foi sua vida e morte, e como graças as guerras humanas suas vidas foram destruídas.

”Sua alma vai para as estrelas esta noite?

Não esta noite, mas em breve, quando você olhar para o céu, vai encontrar sua alma lá.” Página 164 ”Alma de Elefante”

Na obra temos os mais variados bichinhos, desde tartaruga, gato, cachorro, camelo, papagaio e outros, e são mencionadas guerras como a Primeira e Segunda Guerra Mundial, a Guerra do Iraque, Guerra Civil e outras, cada história nos mostra em como de alguma forma de algum jeito afetamos a vida dos bichinhos, e ver tudo isso pela visão deles é bem comovente.

”Enquanto morríamos, testa contra testa, um dos humanos se aproximou e colocou uma única laranja entre nossas trompas. Foi um ato de gentileza, acho, uma forma de agradecer nosso sacrifício.” Página 165 ”Alma de Elefante”

Quando vi a obra pela primeira vez imaginei algo completamente diferente do que encontrei durante a leitura, e confesso que nem superou minhas expectativas e nem me decepcionou, foi apenas muito diferente, mas como eu já esperava foi bem comovente, e acho que se fosse pra escolher um que mais mexeu comigo sem dúvida seria a fábula ”Alma de Papagaio”, os contos se passam em situações bem diferentes e semelhantes ao mesmo tempo.

”Um pensamento cruzou minha mente: por que os humanos escolhiam enxergar tantos animais nos arranjos das estrelas? Quem juntou os primeiros pontos?” Página 142 ”Alma de Tartaruga”

Essa sem dúvidas é uma leitura bem sensível, e com um foco mais direcionado a guerras e os conflitos da humanidade e se você assim como eu não pode ver nada de bichinhos ou gostou do tema essa é a leitura ideal para você.

”Qual escolha ela tinha senão pendurar minha gaiola no toldo da entrada, indo embora em silêncio, antes mesmo que eu percebesse ter ficado só?” Página 228 ”Alma de Papagaio”

Resenha: Enfield

“Quanto a mim, a última coisa de que eu precisava em setembro de 1977 era de um poltergeist.” Página 35

1997, esse ano marcou uma família comum no subúrbio de Londres, após 31 de Agosto nenhuma noite seria igual ou normal. A família Harper teve sua vida e sua casa reviradas cabeça a baixo, batidas e sons que não se podiam explicar, vozes não humanas, móveis se movendo e caindo, um caso que de pouco em pouco atraiu cada vez mais pesquisadores, médiuns, psicólogos e entre eles Guy Lyon Playfair e Maurice Grosse dois pesquisadores de atividades psíquicas que investigaram todo o caso Enfield

“Por que ter medo de uma garotinha de quatro anos, viva ou morta?” Página 49

O caso foi ganhando cada vez mais popularidade e com isso atraiu bastante pessoas que viam apenas a farsa por trás da família, porém as manifestações continuavam, e as pesquisas também, os pesquisadores acreditavam que a assombração era genuína independente de outros psicólogos e jornalistas não estarem  convencidos. Mas o mistério continuava, seria possessão? farsas? travessuras? ou um real poltergeist? Eles não sabiam ao certo, mas tinham certeza de que havia algo errado e sombrio ali.

“Esse foi o primeiro novo desdobramento – o poltergeist era capaz de seguir os Harper para fora da casa” Página 54

“Talvez ele tenha de fato atravessado o piso. Quem pode saber? Nada em relação ao caso Enfield me surpreenderia.” Página 71

No inicio da leitura o autor avisa que pode ser entediante ou repetitivo, e realmente em algumas partes vemos muita repetição de alguns fatos, mas não achei de forma alguma entediante, durante a leitura me sentia curiosa e ansiosa para saber o final do mistério, se era uma travessura ou algo real, e confesso que adorei o desenrolar, vale ressaltar que é uma obra de não-ficção(que serviu de inspiração para filmes, livros e documentários), e quem gosta do gênero essa é uma obra magnífica e uma leitura indispensável.

“Esta é a casa que tem o poltergeist?” perguntou o motorista.

“Sim, isso mesmo”, respondeu a sra.Harper. “A senhora gostaria de entrar?” Ela a encarou e saiu em alta velocidade sem dizer uma palavra, o que a sra.Harper achou muito divertido. Página 118

“Veja as pessoas estão preparadas para aceitar fenômenos psíquicos desde que sejam apresentados como ficção ou fantasia, ou como parte de um sistema religioso, mas lhes diga que é tudo verdade e a reação imediata de todo mundo é simplesmente supor que estamos enganados ou mentindo descaradamente.” Página 254

Resenha: Bela Maldade

Processed with VSCO with a2 preset

”Ela parecia tranquila, uma expressão de serenidade e calma na face fria, morta” Página 181

Depois de uma grande tragédia, Katherine Patterson decide se mudar, sair de sua cidade para ir morar com sua tia, procurando distância do que houve, e procurando esquecer. Ao chegar na escola, ela tenta se manter invisível, porém as coisas não ocorrem assim, ela conhece uma aluna, super popular e daquelas pessoas que te tratam bem até conseguirem o que querem, ao conhecer Alice, ela entra em seu mundo de cabeça, mergulhando e afundando.

Processed with VSCO with a2 preset

Processed with VSCO with a2 preset

”Está aterrorizada com a ideia de que eles estejam atrás de você, perseguindo-a, chegando mais perto a cada passo. Sua respiração áspera é alta a seus ouvidos, ensurdecedora, e você imagina que eles também possam ouvi-la, e por isso corre mais de pressa.” Página 180

Essa leitura foi sensacional, com uma reviravolta de deixar qualquer um de queixo caído, não se deixe enganar, a capa e a diagramação é bem simples, porém Bela Maldade é um daqueles livros que te surpreende a cada capítulo, o livro se divide em duas partes, o incio da amizade de Katherine com Alice e depois as consequências disso. Essa divisão foi essencial para a trama se desenvolver. 

”Acreditei nela, acreditei em tudo. Eu estava começando a amá-la.” Página 211

Processed with VSCO with a2 preset

Resenha: O Segredo dos Corpos

“Podemos até ficar indignados com as coisas horríveis que tais pessoas são capazes de fazer. No entanto, balançamos negativamente a cabeça e seguimos com nossas vidas.” Página 73

Assim como na resenha da obra Anatomia do Mal  essa resenha segue da mesma forma, na obra O Segredo dos Corpos temos relatos sobre a medicina forense, o que acontece em uma autópsia, como a medicina forense vem ajudado em anos de julgamentos, condenações e absolvições. Na obra temos a história de Dr. Vincent Di Maio que desde cedo foi apresentado a morte e aprendeu a não temer esse fato.


Dr. Vincent presenciou diversas formas de como um coração pode ficar após a morte, quarenta anos de profissão ele realizou mais de nove mil autópsias, e muitas vezes seu papel foi importante e definitivo em diversos casos de investigações criminais, alguns deles assim como em Anatomia do Mal são apresentados no decorrer dos capítulos, porém diferente da outra obra em O Segredo dos Corpos os casos são mais aprofundados, estar lendo essa obra é como estar estudando afundo cada caso e mais ainda como estar ali nas autópsias e no necrotério.

“Teria Martha sufocado aqueles bebês quando começaram a dar mostras que já não precisavam dela ou será que eram simplesmente os alvos mais fáceis? Seguramente não reagiram e não podiam testemunhar contra ela, e matá-los era tão simples que não deixava marcas.” Página 98

Esse livro me surpreendeu por diversos motivos, o primeiro deles foi que achei muito genial a forma que os temas foram abordados, por exemplo descrevendo o crime, o julgamento, os detalhes sobre os corpos e mais alguns detalhes e mais ainda em momento algum ficou maçante. O segundo deles é que apesar de estar sempre pesquisando casos criminais esses me surpreenderam e os detalhes também, e o terceiro não me surpreendeu mas vale sempre comentar que é a edição linda da darkside.

“A morte explicada de um lactente em uma família é SMSI (síndrome da morte súbita infantil). Duas mortes é motivo de suspeita. Três é homicídio.” Página 103

“Outra vezes, insistia em acompanhar os corpos dos bebês até o necrotério do hospital, cantando pra eles no caminho. Ao mesmo tempo, participava de uma espécie de “bolão da morte”, em que apostava qual seria a próxima criança a falecer.” Página 155

Resenha: A Química que há entre nós

”Então esta, com certeza, não é uma história de amor á primeira vista. Mas esta é uma história de amor. Bom. Mais ou menos.” Página 8

Nessa obra somos apresentados a Grace Town, uma garota com comportamentos estranhos, seu cabelo bagunçado e aparência mal cuidada, suas roupas largadas e ate seu cheiro é um tanto que estranho, seu suporte é uma bengala por causa de sua perna, uma garota cheia de mistérios, e do outro lado temos Henry Page que se encanta pelo mistério que é Grace Town, e no momento em que coloca os olhos nela sente que tudo vai mudar, porém Henry descobre que as vezes as pessoas são mais machucadas do que parecem e nem tudo é cena de filme, e outras coisas duram o para sempre que deveriam durar.

”Gosto de ter respostas prontas pra quando as pessoas me perguntam sobre mim mesma. Quer dizer, se eu não sei quem sou, como é que outra pessoa deveria saber?” Página 39

Sinceramente eu não sei como me sinto sobre esse livro, ele é tocante, surpreende e mais ainda o final dele te tira do chão pois é fora dos padrões, assim como o personagem aprende, os leitores também e achei isso genial, a autora nos mostra como a amizade e família são importantes, ela fala sobre a forma de lidar com a perda. E sobre Grace, Henry só sabe que apesar de sua personalidade bipolar ele quer desvendar cada parte secreta de sua alma, porém muitas vezes mesmo com a verdade, só enxergamos o que queremos.

”…pensando em Grace Town e em como, se as pessoas realmente eram formadas de pedaços do universo, sua alma era feita de poeira de estrelas e caos.” Página 101

Cada personagem desse livro me cativou, e suas referências a Harry Potter foram me conquistando a cada página. Mas finalizando essa é uma obra que qualquer pessoa que gostou de alguma leitura uma vez na vida deveria ler, esse livro é sensacional. LEIAM ESSE LIVRO!

”Grace Town se tornara o fantasma que ela queria ser, e a ausência dela – a ferida de ranhura que ela deixou para trás quando se arrancou da minha vida – me fez recuperar o fôlego.” Página 206

 



”Rascunho Seis:

Porque você vale nada menos do que poeira de estrelas, mas tudo o que posso dar a você é sujeira.” Página 193

Resenha: Confissões do Crematório 

Venham todos ser engolidos pelas chamas do crematório

”Podemos nos esforçar para jogar a morte para escanteio, guardando cadáveres atrás de portas de aço inoxidável e enfiando os doentes e moribundos em quartos de hospital. Escondemos a morte com tanta habilidade que quase daria para acreditar que somos a primeira geração de imortais.” Nota da autora

Confissões do Crematório é um livro sobre experiências de alguém que é fascinado pela morte, Caitlin Daughty, que desde criança teve uma atração pela morte, quando pequena isso foi mostrado como medo, ao crescer como admiração e aos poucos acolheu como uma amiga, Cat conseguiu emprego como operadora de crematório na Westwind Cremation & Burial em San Francisco, após um ano em San Francisco ela vai atrás de seu licenciamento de agente funerária. Cat em sua obra mostra detalhadamente os bastidores de um crematório, detalhes do que acontece com um corpo quando ele é entregue a funerária, como ele é preparado para que possamos nos despedir, as opções que temos para escolher para os que partiram, ela expõe a realidade e precisamos enfrenta-lá, como é dito esse livro é para quem planeja morrer um dia.

”Como humano adulto, seu pó é igual ao meu, entre dois e três quilos de cinzas e ossos.” Pagina 144

Em certos momentos vi como se fosse um diário de uma profissão como outra que vemos todos os dias, muitos ainda tem certo receio sobre os detalhes mas são apenas detalhes, no livro também temos alguns fatos sobre a história da cremação e funerais, o que achei bem interessante, e mostra também como a profissão surgiu para o que ela é hoje, do preconceito ate certa aceitação. Achei a obra sensacional e vi muita evolução da menina que começou quase sem nenhuma experiência para a que finalizou o livro, me identifiquei bastante com a personagem e vi muitas doses de humor no livro.

”O silêncio da morte, do cemitério, não era uma punição, mas uma recompensa por uma vida bem vivida.” Página 242

 ”O hospital se apresentava como um lugar positivo de cura com tecnologia recente e atraentes gravuras de arte havaiana nas paredes. Tudo – a maca falsa, o necrotério secreto no porão – era cuidadosamente preparado para esconder a morte, para distanciá-la do público. A morte representava uma falha do sistema médico; não seria permitido perturbar os pacientes e suas famílias.” Página 59